CHANTE FRANCE

Ocorreu um erro neste gadget
OBRIGADO PELA VISITA

O TEMPO CONTEM A TERNIDADE

CADA DIA NOVA VIDA

Calendario

O Tempo nos conduz a Deus

quarta-feira, 28 de julho de 2010

CADA NOVA RAZÃO DE VIVER É UM TESOURO ENCONTRADO.


QUARTA FEIRA 17ª SEMANA DO TEMPO COMUM
Mt.13,44-46


“O Reino dos Céus, diz Jesus, é semelhante a um homem que encontrou um tesouro enterrado em um campo”. Na antiguidade - e na falta dos nossos modernos bancos - havia o costume de enterrar no solo tesouros inestimáveis, sobretudo em épocas de guerra ou de assaltos inimigos.

Alguém, ao cavar um campo, encontra casualmente, diz o texto, um tesouro que não estava procurando; cheio de alegria, surpreso e feliz, vende tudo o que tem para poder adquirir aquele campo, juntamente com o tesouro que lá se encontra enterrado.

Esta é uma das menores Parábolas que nos traz o Evangelista São Mateus e, no entanto, ela se verifica na Vida da Igreja desde os tempos apostólicos, desde quando São Pedro disse a Jesus: “Eis que deixamos tudo e te seguimos”. Isto será repetido até os dias de hoje.

Existem milhares de pessoas que, ao longo destes vinte séculos de Cristianismo e História da Igreja, descobriram, com a Graça de Deus, um tesouro diverso de todos os tesouros materiais. Essas pessoas encontraram uma nova razão de viver e bem mais profunda, entusiasmante e realizadora do que outras razões materiais. Redimensionaram suas Vidas para poderem adquirir o Tesouro inestimável que é Jesus Cristo.

Quantos jovens de ambos os sexos deixaram bem estar material, carreira promissora, profissão rendosa, emprego confortável para, em pobreza, obediência e castidade, seguirem Jesus?

Não é preciso entrar na Vida religiosa, abraçar a Vida ministerial ou sacerdotal. Basta que alguém encontre, por Graça de Deus, este tesouro que é vivo, que é Jesus Cristo, e a Vida dessa pessoa tomará uma dimensão, um colorido todo diverso daquela que até então possuía.

Pode-se dizer literalmente que nasceu de novo e agora sabe porque vive e para onde deseja encaminhar-se.(*)

c / f  Padre Fernando C. Cardoso

Nenhum comentário:

Postar um comentário